segunda-feira, 6 de julho de 2009

Mosca Super Star

Em Novembro de 1975, em Tókio, Japão, José Cid participa pela segunda vez (enquanto intérprete) no célebre World Pop Music Festival, com a versão original de “Ontem, hoje e amanhã”, (“ Yesterday, Today and tomorrow”), no qual obteve o honroso 9.º lugar, participação essa que lhe valeu ainda o reconhecimento com um dos prémios Outstanding Song Awards do Festival, enquanto “composição notável”. O brilharete de José Cid impunha, pois, o lançamento imediato de um single no mercado português que reflectisse o sucesso da sua participação. Apesar de José Cid ter escolhido a língua inglesa para se apresentar em solo nipónico, o single que saiu para o mercado em Março de 1976 acolheu no seu lado A a versão portuguesa de “Ontem, hoje e amanhã” (Decca SPN 199 G), com uma apelativa e sugestiva referência na capa “ Canção Vencedora do Prémio Outstanding Composion no Festival de Tóquio de 1975”. Naturalmente, tratou-se de um dos discos de José Cid que mais unidades vendeu na sua carreira, fazendo ““Ontem, hoje e amanhã” parte de um grupo limitado de refrãos de canções que a grande maioria dos portugueses conhecem.
No entanto, o mesmo já não se pode referir em relação ao lado B do single, “Mosca Super- Star” que permanece quase que desconhecida do grande público. Ao trazermos hoje “Mosca Super-Star” estamos também a recuar ao início de 1976, ano em que José Cid funda o grupo Cid, Scarpa, Carrapa & Nabo ( com Guilherme Inês, Carrapa e Zé Nabo ) Infelizmente, essa formação foi uma das mais efémeras formações da história do rock sinfónico-progressivo português, tendo apenas gravado duas composições: “Mosca Superstar” e a “Vida” ( Sons do quotidiano)”, durante o ano de 1976, antes da transição de José Cid da Valentim de Carvalho para a editora Orfeu. Na nossa opinião, Mosca Super-Star é uma das melhores composições de José Cid, na qual este, mesmo recorrendo a sonoridades com evidentes reminiscências de rock psicadélico-progressivo dos anos 70, tem ainda o propósito de lançar mão de uma crítica satírica aos sucessivos governos de transição após o 25 de Abril e à consequente mudança para o mesmo rumo de onde se partira. “Foram-se as moscas embora/fiquei sentado na mesa/mas só as moscas mudaram/pois a comida é a mesma”. Mesma opinião partilhamos em relação ao E.P. “Vida”, sobre o qual nos debruçaremos numa outra oportunidade.
De forma incompreensível, a colectânea de 2006 da EMI “Grandes Êxitos” inclui o tema "Mosca Super-Star" com um som trituradamente abafado, ao ponto de eventualmente o ouvinte poder pensar tratar-se de uma gravação retirada directamente de uma cassete com as fitas amolecidas , depois de muitos anos de exposição ao Sol na bagageira de um carro. Enquanto “Mosca Super-Star” não aparece em formato digital com uma qualidade sonora que se aceite, limitamo-nos a colocar um excerto da nossa versão, retirada directamente do vinil, que ainda assim, supera em muito, em termos sonoros, a versão digital.

video

Clique no play para ouvir um excerto da canção

3 comentários:

Anónimo disse...

Por cerca de 15 euros está disponivel uma caixa que inlui 3 cds (colectanea do quarteto, reedição do disco de José Cid e Green Windows e última colectãnea de José Cid editado pela Iplay). Até por aí se percebe as várias versões que José Cid gravou.

Até bom de ver que é recomendado para quem tem pouco material do artista. Por outro esconde o erro crasso que foi meter Green Widows na capa do CD.

DFL

Anónimo disse...

O disco de estreia de Fuse tem um tema com um sample de José Cid.

Tudo o Que Tenho em Mim

http://fuse.dealema.net/letras/index.php?letra=tudo

Tentei comprar o disco, já há alguns anos, quando foi reeditado pela Loop, mas estava esgotado.

Tenho gravado numa cassete mas já não oiço há algum tempo. Penso que a parte do José Cid é a seguinte:

"Tudo o que trago em mim para vos dar são lágrimas desta caneta que só vive para chorar"

Conseguem por aqui perceber qual será a canção?

DFL

João Pedro disse...

Boa noite, só agora reparei no seu comentário.

esse refrão " tudo o que tenho em mim, para vos dar, são pedaços de sol e de luar" pertence à canção "Chamaram-me poeta". Pode encontrá-la em formato CD na Antologia, VOl. II .

Obrigado.