terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Doce e Fácil no Reino do Blá Blá Blá

No período compreendido entre 1971 e 1975, José Cid manteve-se em actividade de forma ininterrupta, conciliando paralelamente os seus projectos a solo com formação dos Green Windows e a espaços com o que ainda restava do Quarteto 1111. Não é de estranhar, portanto, que durante esses anos vários Ep's , singles e até discos de longa duração tenham sido lançados para o mercado com composições da autoria de José Cid, ora a solo ora como membro de uma dessas formações. O mesmo período temporal coincidiu também com ínicio da participação massiva de José Cid em Festivais da Canção, sendo a sua participação de 1974 uma das que mais sucesso teve com a actuação dos Green Windows com o tema “ No dia em que o rei fez anos”, classificada em segundo lugar, atrás de “ E depois do Adeus” de Paulo de Carvalho.
Devido ao sucesso das actuações José Cid no Festival da Canção de 1974 (com “No dia em que o rei fez anos” “Imagens” e “ A rosa que te dei”, esta última a solo) foram lançados em 1974 dois singles dos Green Windows e um single de José Cid, contendo cada um deles na face A uma das canções participantes no Festival da Canção de 1974. Assim, sem qualquer surpresa e com as referências Decca SPN 160, Decca SPN 161 e Decca 162 foram lançados de seguida os singles “A rosa que te dei” , “Imagens” e
“ No dia em que o rei fez anos”.
Graças à cumplicidade existente entre a figura de José Cid enquanto autor e compositor dos Green Windows, a editora aproveitou para lançar no lado B do single “Imagens”, uma composição, originalmente editada por José Cid em 1973, num dos seus singles a solo. Falamos da canção “ Doce e Fácil no Reino do Blá Blá Blá”, que durante anos foi associada como pertencendo ao reportório dos Green Windows quando, no fundo se trata de uma canção de José Cid, gravada em nome próprio. Para tal facto terá contribuido, por uma lado, o relativo fracasso do single “Cantiga Portuguesa/Doce e Fácil no Reino do Blá Blá Blá” ( Decca SPN 143 D), e por outro lado, o facto de durante muitos anos a canção Doce e Fácil no Reino do Blá Blá Blá, ter sido incluida em diversas colectâneas dos Green Windows, sem qualquer distinção em termos de autoria. Acresce que a actual raridade do single originariamente gravado em 1973 também contribuiu em parte para que a maioria dos apreciadores da obra de José Cid apenas conhecessem a canção Doce e Fácil no Reino do Blá Blá Blá como lado B do single "Imagens" dos Green Windows. Nem mesmo em 2007 com o lançamento da colectânea “ Pop Rock & Vice Versa”, exclusivamente composta por canções de José Cid em nome próprio parece ter dissipado as dúvidas em relação a essa matéria.
Porém, com a mensagem de hoje e com a capa e contracapa do disco que apresentamos aos nossos leitores, pretendemos desfazer todas as dúvidas, dando a conhecer uma das mais raras capas de disco de José Cid, bem como convidar o ouvinte a escutar mais um interessante aspecto da dimensão camaleónica da obra de José Cid: no mesmo disco, no lado A encontramos uma canção de raíz popular, enquanto que o lado B, já nos transporta para os loucos anos 70, apresentando-nos uma canção com uma sonoridade marcadamente rock, com guitarras eléctricas bem vincadas e vozes bem puxadas, como era característica da (boa) música da época.

"Doce e Fácil no reino do Blá Blá Blá" também está disponível em formato CD em : Pop Rock & Vice Versa.

video

Clique no Play para ouvir um excerto da canção

5 comentários:

bissaide disse...

Grande música, completamente imbuída do espírito Black Sabbath. E a letra continua actual! O que eu penei para encontrar o single "Cantiga Portuguesa" (canção concorrente ao Festival da Figueira da Foz de 1973, aliás).

Anónimo disse...

O disco "Pop rock & vice-versa" é composto de versões. O facto de conter uma versão do tema não quererá dizer nada em relação a qual dos repertórios pertenceria. A compilação de José Cid com os Green Windows que inclui temas com o grupo e a solo bem como os temas cantados por Mike Sergeant foi reeditado pela Iplay e tem esse tema. A capa foi lamentavelmente editada com o nome de Green Widows. Já tinha dito noutra ocasião que há uma caixa com as compilações de Quarteto 1111, Green Windows e José Cid. Já conhecia muita coisa dos três nomes mas fiquei agradavélmente surpreendido com o "Doce e Fácil...", " A Time to Live" e com as duas versões do "Uma Nova Maneira de Encarar o Mundo".

Anónimo disse...

http://cidfan.no.sapo.pt/discografia_solo70.htm

aparece a compilação como sendo um single. È pena que apareça o autor para refinar algumas pequenas incorrecções.

João Pedro disse...

E já agora, J.C. sabes em que lugar ficou José Cid no Festival da Figueira da Foz ? Aposto que não muito perto dos lugares cimeiros, devido à natureza da canção com que se apresentou...

Dr. Bell Otus disse...

É um gand'a SOM, sem dúvida ... grande José Cid, um bem-haja para ti :-)