sábado, 24 de janeiro de 2009

Fã do Rui

Uma das frases mais conhecidas de José Cid (para além de “Faz-me favas com chouriço”) é, seguramente, aquela que os estudantes do Porto tiveram ocasião de ouvir em 2004 aquando do concerto de José Cid na Queima das Fitas dessa cidade: “ Se o Rui Veloso é o pai do rock português, então nesse caso eu sou a mãe!
Quem ler esta frase, sem conhecer os artistas em questão e sem qualquer outro contexto que não o de festa estudantil, ficará imediatamente com a ideia que José Cid queria atacar o artista Rui Veloso e que a relação entre os dois é de extrema conflituosidade, como se lutassem os dois pelo ceptro de Pai do Rock Português. Não vamos entrar pela questão do pai do rock português, pois não é isso que mais nos interessa; o que pretendemos com a mensagem de hoje é partilhar convosco a homenagem que o próprio José Cid fez ao artista Rui Veloso em 1991 no seu disco duplo “ De par em par” (LP 848974-1 Casablanca/ CD LP 848974-1 Casablanca), através do tema “ Fã do Rui”. Um tema muito simples, de dois minutos, escrito numa época em que Rui Veloso conquistou o mercado discográfico com o duplo álbum “ Mingos e Samurais”, popularizado por temas como “ Baile da Paróquia” e “Não há estrelas no céu”, entre outros. Em sentido inverso, José Cid começava, nessa altura, a sua trajectória descendente em termos de sucesso discográfico, como o próprio ironiza na canção que hoje partilhamos com os leitores.
Temos, assim, a ironia como nota dominante nesta canção, não estivesse José Cid a contar-nos uma história muito simples de um homem, que num café de Cedofeita, se enamora por Lola, uma bela mulher que, no fim de contas, era um travesti!!! (Felizmente, o recepcionista da pensão onde Lola vivia alertou o desconhecido protagonista da história para esse facto, evitando surpresas e incómodos maiores...) Desesperado, o protagonista fugiu, tendo decidido tomar mais um copo, mas desta vez numa tasca da Ribeira, onde se deparou, segundos depois, a ver um programa na televisão, no qual um moço lá do Porto tocava ao piano o tema “ A Paixão” do Rivoli. Ora, esse moço de imediato lhe “ fez lembrar outro artista, outrora tão bem famoso, que também canta ao piano e que é fã do Rui Veloso”. Para bom entendedor meia palavra basta: José Cid ironiza sobre si próprio, sobre o sucesso que outrora teve, ao mesmo tempo que homenageia o artista mais famoso da altura, declarando-se seu fã. Um ouvinte mais atento e mais conhecedor da obra de Rui Veloso, encontra facilmente neste tema de José Cid reminiscências da sonoridade de “Mingos e samurais” e, claro, do tema Chico Fininho, do disco “Ar de Rock”.
“De par em Par” ( ou Jeans), pode não ter sido o disco mais conseguido de José Cid, não tendo dele sequer resultado grande sucesso ou single digno de registo. Mesmo assim pretendemos nesta pequena mensagem, por um lado, evitar o seu esquecimento e por outro lado, relembrar ao leitor que dos trinta e tal discos de José Cid lançados para o mercado desde que José Cid começou a cantar, o pior registo que alcançou foi a prata. Tudo o resto foi ouro, platina e duplas platinas. Logo...este disco só pode estar entre uma dessas categorias atrás enunciadas. Voltaremos brevemente.

video

Clique no Play para ouvir um excerto da canção

Imagens reproduzidas da colecção particular do autor do Blogue

Sem comentários: